ESPAÇO
XAG
This is a basic text element.
Produtividade insuperável na colheita florestal
03/05/2023
Compartilhe esse artigo .

Esta é a segunda parte do conteúdo produzido pela Ponsse sobre as vantagens do sistema de colheita florestal CTL (cut to lenght). Para acessar a Parte I clique no link – Colheita florestal CTL: eficiência da parceria do harvester e forwarder

O método CTL elimina etapas duplicadas e desnecessárias na colheita de madeira e na cadeia de processamento. Ele foi desenvolvido para aproveitar ao máximo a matéria-prima, reduzir os custos da colheita e garantir que a produtividade seja alta e uniforme durante todo o ano.

No método CTL, os troncos são marcados automaticamente para otimizar o traçamento, antes de serrar a primeira tora. Ao minimizar as etapas de processamento do tronco, o grupo de duas máquinas CTL pode realizar tarefas que requerem três ou quatro máquinas diferentes no FT.

O harvester moderno recebe do cliente informações dos sortimentos requeridos automaticamente e em tempo real. Por isso ele sempre produz madeiras com medidas precisas e de alta qualidade. O tronco é aproveitado ao máximo e há pouco desperdício. O harvester processa o fuste em toras e as classifica em sortimentos ainda no talhão.

O método CTL deixa as folhas, acículas, galhos e ponteiras, ricos em nutrientes, na floresta. Quando o desgalhamento e traçamento são realizados na área de carregamento ao lado da estrada, além de necessitar uma área maior, é necessária uma limpeza no local após o processamento da madeira.

Cabeçote Ponsse H6
O harvester moderno recebe do cliente informações dos sortimentos requeridos automaticamente e em tempo real. Por isso ele sempre produz madeiras com medidas precisas e de alta qualidade.

Da floresta para beira da estrada até a usina

As vantagens de custo do método CTL não se limitam ao abate e processamento mais eficiente da madeira. Também se consegue mais economia no transporte da madeira da beira da estrada para a unidade de processamento por meio da logística, da qualidade do produto e uso otimizado das áreas de armazenamento.

O grupo de máquinas CTL é econômico porque necessita somente de duas máquinas produtivas e eficientes para processar os troncos. É necessário menos combustível para cada metro cúbico processado do que nas quatro máquinas do Full Tree.

No método CTL, os troncos mais robustos são transportados diretamente do lado da estrada para a serraria, as madeiras para laminados para fábricas de madeira laminada, madeira para celulose para fábricas de celulose ou de papel e o material adequado para a bioenergia para a usina de energia.

No método FT os troncos normalmente são transportados primeiro para a serraria ou para um local de armazenamento intermediário. Na serraria, os troncos são descarregados e cortados em toras para serragem. As toras são processadas em diversas classes, que são novamente carregadas para transporte às respectivas usinas e unidades. A madeira passa por vários ciclos de processamento, cada um deles resultando em mais custos.

Quando as toras são transportadas diretamente da floresta para os seus destinos finais, sem necessidade de armazenamento intermediário ou de serem transportadas de um local para outro, há economia de combustível e tempo.

Colheita CTL em florestas de coníferas

O método CTL otimiza cada tronco de árvore para satisfazer as necessidades do cliente final. O cliente, normalmente uma usina, envia as especificações das necessidades de matéria-prima, detalhando classes de diâmetros, comprimento e qualidade.

O harvester CTL otimiza cada tronco com base nas especificações do cliente e secciona em toras de acordo com os comprimentos predeterminados. Isto permite um maior aproveitamento do material em termos de qualidade e quantidade. Com o método CTL até o menor pedaço de uma madeira especial pode ser extraído e transportado para uma serraria de um modo econômico. As madeiras especiais incluem determinadas qualidades de toras, toras para madeira laminada e postes, por exemplo.

Detalhe do corte por harvester de floresta

Colheita florestal com corte cuidadoso reduz o desperdício

O modo em que um tronco é cortado determina a qualidade do produto final. A corrente de serra fina do harvester CTL corta cada tronco com precisão, causando o mínimo dano à árvore. No sistema Full Tree, o tronco é cortado por uma serra circular. Isto, junto com o fato de manejar várias árvores simultaneamente, causa rachaduras na valiosa primeira tora.

As rachaduras nas primeiras toras são um problema no setor de serrarias. O método de corte utilizado no FT destrói cerca de cinco centímetros (duas polegadas) de fibra de madeira em volta do ponto de corte. Isto significa que um material valioso é perdido em todos os cortes.

O tecnicamente avançado harvester CTL minimiza o dano no tronco. Ele calcula o melhor ponto de corte e aproveita a matéria-prima o máximo possível. O manejo cuidadoso e consciente do tronco reduz a quantidade de rachaduras nas primeiras toras.

Bem manejada, a floresta cresce melhor

A qualidade das árvores e sua taxa de crescimento têm um impacto importante na lucratividade do manejo da floresta. O desbaste bem programado e bem executado pode melhorar a taxa de crescimento e a qualidade.O desbaste bem programado estimula o crescimento do diâmetro.

Harvester Ponsse Ergo
Harvester Ponsse Ergo trabalhando em floresta de coníferas

Quando ele é realizado em conjunto com boas práticas florestais, ele reduz a competição de raízes e melhora a disponibilidade de nutrientes e água. O aumento da luz fortalece as acículas e as folhas. O “ouro verde” de uma floresta bem manejada cresce mais rápido e melhor.

Como o método CTL processa cada árvore individualmente, o operador pode utilizar uma diversidade de modelos de desbaste de modo flexível. A grua de um ágil harvester CTL pode alcançar os 11 metros (36 pés). Graças à grua de amplo alcance e o cabeçote harvester compacto, as máquinas CTL podem realizar um desbaste seletivo.

O desbaste seletivo significa que uma floresta coberta é desbastada de modo que as melhores árvores são deixadas para crescerem de acordo com as recomendações do manejo da floresta. Isto aumentará o valor da floresta, e o desbaste posterior, ou o corte raso, produzirão madeira de melhor qualidade.

Quando o desbaste é realizado corretamente, ele evita que as árvores cresçam finas e ajuda a manter as copas grandes e saudáveis. Uma floresta saudável reduz significativamente o risco de danos causados pela neve, tempestades, insetos e incêndio. Na prática, o desbaste seletivo não pode ser realizado sob o sistema de colheita full tree.

Cobertura florestal contínua e sustentável – possível com o CTL

A chamada cobertura florestal contínua é possível ao usar o flexível método CTL. Nela, as árvores em uma floresta são abatidas constantemente, mas a floresta jamais é cortada de uma só vez. O objetivo é fazer com que a maioria das árvores abatidas produzam toras grandes e valiosas.

No manejo florestal tradicional, as florestas do norte são desbastadas duas vezes durante o seu ciclo de crescimento de80 anos. No primeiro desbaste, as árvores têm cerca de 30-40anos e o produto final, normalmente, é somente madeira para produção de celulose e energia.

Na cobertura florestal contínua, a madeira é abatida com maior frequência, em ciclos de cerca de 15-20 anos. O objetivo consiste em colher os troncos de tamanho de toras e de desbaste.

Uma cobertura florestal contínua é adequada para florestas com árvores saudáveis e de alta qualidade, na qual a regeneração é fácil e segura. Plantar árvores não faz parte da cobertura florestal contínua. A absorção de carbono pelas árvores e pelo solo é maximizada.

Em uma floresta com cobertura contínua jamais se pratica o corte raso, onde são criados caminhos para as máquinas de abate. Em uma floresta com cobertura contínua, um grupo formado por um ágil harvester CTL e um forwarder é a única maneira de realizar a colheita mecanizada.

Ágeis, as máquinas CTL harvester e forwarder trabalham em declives

As máquinas CTL têm baixa pressão sobre o solo e seu equilíbrio é excelente. Isto torna as máquinas adequadas para operar em condições exigentes, como terrenos com declividade e solos turfosos. Quanto mais acidentado o terreno, mais segura, eficiente e ecologicamente correta é a opção pelo CTL, em comparação ao FT.

Ao trabalhar em declives, o maior desafio para o sistema FT consiste na irregularidade do terreno durante o arraste das árvores abatidas. Elas devem ser arrastadas primeiramente para um terreno mais regular para só então um skidder poder transportá-las para outro local.

Colheita florestal com guincho
Harvester em terreno inclinado

Na prática, isto é feito com um shovel logger que acompanha o feller buncher, que movimenta uma ou duas árvores por vez até o skidder. Ainda, em situações de terrenos muito íngremes faz-se necessário o uso de cabos aéreos para a retirada de árvores destes locais.

Nos últimos anos, a colheita florestal mecanizada tipo CTL tornou-se mais comum em terrenos íngremes. Estima-se que mais de 90porcento da colheita não mecanizada em terrenos com declividade acentuada, e que a extração é realiza por cabos aéreos, poderia ser substituída com eficiência e segurança pelo sistema de colheita CTL. As máquinas CTL com cabo de tração auxiliar podem fazer a colheita em terrenos inclinados que são difíceis para caminhar

Máquinas potentes, segurança para o trabalhador florestal

O manejo de cargas pesadas de maneira estável em terrenos inclinados requer um forwarder potente e uma grua com um pilar com grande ângulo de inclinação. Um grupo de ágeis máquinas CTL pode realizar a operação em terrenos inclinados sem nenhum problema. O grupo formado por duas máquinas compactas e econômicas é suficiente para realizar o trabalho.

Ao trabalhar em terrenos muito inclinados, as máquinas CTL podem ser equipadas com guinchos, que aumentam a segurança e ajudam a prevenir danos significativos no solo. Os métodos manuais de colheita, tradicionalmente, foram os preferidos para terrenos inclinados. Este método necessita de guinchos ou sistemas de cabos como apoio.

Comparado à colheita mecanizada, o método manual de colheita é muito mais árduo e perigoso. Em alguns países, quase 3% dos trabalhadores que trabalham sob esse sistema de colheita sofrem lesões ou morrem todos os anos. Na Finlândia, quase toda a colheita de madeira é mecanizada. O setor apresentou, em média, apenas um acidente em uma década.

CTL em plantios florestais

Quando o trabalho é bem planejado, um grupo de máquinas CTL reduz os custos em todas as frentes. O método CTL é simples e eficiente, e consegue uma importante vantagem econômica com a boa compatibilidade das máquinas:

O ritmo de trabalho do harvester acompanha o do forwarder. Enquanto o harvester avança no corte, desgalhamento e traçamento de árvores, o forwarder transporta os diversos sortimentos para a beira da estrada.

Forwarder_ElephantKing_Australia

A produtividade do grupo completo de CTL permanece equilibrada e muito uniforme quando as condições de abate mudam, de modo que a valiosa matéria prima é sempre entregue rapidamente e de modo econômico na unidade de processamento. Com o CTL, você gasta menos combustível e trabalha de forma mais eficiente.

UM SKIDDER OU MAIS DE UM?

As condições são ideais para o método full tree quando a distância de transporte na floresta é curta, o solo é seco e o terreno regular. Estas condições permitem que o pesado feller buncher se mova de maneira eficiente em uma plantação, abatendo seis ou sete árvores por vez. Um skidder coleta o feixe de árvores formado pelo feller buncher e o transporta para a área de carregamento ao lado da estrada.

O feller buncher só vale a pena se estiver operando a plena capacidade. Quando a distância de transporte na floresta for pequena, um skidder é suficiente para manejar as árvores abatidas. No entanto, quando o feller buncher se move para longe da estrada, o skidder não é capaz de manter o ritmo, exigindo um segundo ou terceiro skidder, por exemplo. Porém, gerenciar todas essas máquinas começa a ficar mais complicado.

A rentabilidade do sistema Full Tree dependerá também da capacidade de carga do skidder em uma única viagem. Se houver muita ou pouca madeira por hectare, o feller buncher terá dificuldades para formar feixes de tamanhos adequados. As máquinas não são usadas da melhor maneira, gerando um desperdício de tempo e dinheiro.

“Casca da árvore do eucalipto contém cerca de 70% do cálcio da árvore. No método CTL, a casca rica em nutrientes e com alta concentração de cálcio pode ser deixada no solo da floresta, reduzindo a necessidade de fertilizantes.”

Na próxima semana vamos publicar a parte III que finaliza o conteúdo.

ARTIGOS RELACIONADOS
    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Receba notícias e novidades no seu e-mail!
    Ao selecionar a opção "ENVIAR” presto o meu consentimento, livre e voluntário para que a Timber recolha e trate meus dados pessoais para o envio de comunicações de marketing, informações sobre produtos, ofertas especiais e convites para os eventos e promoções *:
    Preencha com sua escolha: *:
    Escolha*
    Leia os termos
    Para a Timber, a proteção da privacidade de seus dados é nossa prioridade. Assim, nossa Empresa esclarece que os dados coletados são tratados de forma sigilosa, prezando pela sua proteção nos termos da Lei. Os dados são utilizados para a gestão da relação comercial, administração de suas demandas, comunicações de marketing direto, com ofertas comerciais de produtos e serviços personalizadas que possam ser de seu interesse. Você tem o direito de acessar, solicitar a retificação ou a exclusão de seus dados pessoais. Você também tem direito de retirar, a qualquer momento, o seu consentimento, para os fins dos quais o mesmo foi obtido. Para isso entre em contato pelo e-mail marketing@timberforest.com.br Considerando a importância de seus dados, nossa empresa solicita que você leia nossa Política de Privacidade. Com o preenchimento do presente formulário, atesto minha maioridade e com isso, a validade do presente consentimento. Desta forma, autorizo a Timber a coletar, tratar, armazenar meus dados pessoais exclusivamente para os fins descritos na Política de Privacidade.
    Timber | Curitiba – PR (Matriz)
    Avenida Juscelino K. Oliveira, 3545 CIC – Curitiba – PR – Brasil
    +55 (41) 3317-1414
    Timber | Lages – SC
    Av. Dr. João Pedro Arruda, 1437 Área industrial – Lages – SC – Brasil
    +55 (49) 3227-3477
    Timber | Guaíba – RS
    Rua da Balança, 96 Ramada – Guaíba – RS – Brasil
    +55 (51) 3491-8191
    Timber | Capão do Leão – RS
    BR-116, KM-532, 293 Jardim América – Capão do Leão – RS – Brasil
    +55 (51) 3491-8191
    Timber | Três Lagoas (MS)
    BR-158, 268 - Interlagos, Três Lagoas - MS
    +55 (67) 2026-0103
    Timber | Curvelo (MG)
    Av. Bias Fortes, 2015 Tibira - Curvelo - MG - Brasil
    Timber | Palhoça – SC
    Rua José Cosme Pamplona, 2 Bela Vista- Palhoça- SC

    ©2023 Grupo Timber. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Fresh Lab Agência de Marketing Digital